Arquivos do Blog

Por que um beijo te incomoda tanto?

(TV Globo/Divulgação).

Na semana passada, a Rede Globo estreou a novela Babilônia e já causou aquele rebuliço pela internet e, principalmente, por todo o país. Confesso que faz muito tempo que não assisto novela da toda poderosa emissora brasileira, mas seria impossível negar tamanha estreia que chegou pisoteando os valores da tão defendida e, ao mesmo tempo, hipócrita ‘‘família tradicional brasileira’’ (lê-se aqui grupo de pessoas que se acham superiores por serem cheios de preconceitos e integrarem a fórmula excludente de família como, necessariamente, homem + mulher + filhinhos).

A questão é que logo em seu primeiro capitulo Babilônia exibiu um digno beijo entre as atrizes consagradas Fernanda Montenegro e Nathalia Timberg. Sim, até parece mentira, mas é isso mesmo que você leu. Vou até explicar em detalhes, para não restar dúvidas: A Rede Globo de Televisão, já tão conhecida por seus preconceitos velados, seus estereótipos (re)mastigadas e tudo de ruim que há começou uma novela com um beijo entre duas mulheres e senhoras de idade, que fogem do típico padrão de fetiche masculino perante às mulheres lésbicas.

E aqui, mais uma vez, temos uma prova de que representatividade nunca foi tão fundamental como numa época em que a intolerância corre solta para todas as bocas, dedos ferozes (na internet, essencialmente) e os demais ambientes da vida em sociedade. Porque se alguém não se encaixa na fôrma estreita de alguns ‘‘seres humanos’’, logo é considerado um ser errado, que está indo contra a lei de deus. Mas que deus? A dura verdade é que muita gente deveria, pelo menos, começar a entender que a sua religião não é a base incontestável para o resto do mundo. Você acredita? Tudo bem. Está no seu direito, mas isso acaba quando você ousa ferir o direito do outro, lhe dizendo como ele deve ou não agir ou ainda disfarçando seu preconceito com um ‘‘eu respeito, mas não aceito, tenho até amigos que são’’. Esse discurso é tão vazio e desonesto (para não dizer adjetivos mais pesados e que continuariam servindo, perfeitamente, para definir tal fala). Porque você não tem que aceitar nada. É a vida do outro. É um direito pleno, da outra pessoa, amar quem ela bem entender, sendo do mesmo sexo ou não. Seja lá quem for. Existindo amor, isso é o que deveria importar acima de qualquer coisa.

Assim, engula sua ignorância desmedida e tente ser mais sensato. Duas senhoras se beijaram em horário nobre? Beijaram e espero, sinceramente, que se beijem muito mais. Não é só pela quantidade de beijos ou como isso vai afetar quem não suporta ver o diferente na TV e sim para mostrar que a diversidade existe na vida real para muito além dos rótulos e que ela precisa ser estampada nos televisores de todos os brasileiros, para que, de alguma maneira, quem não sente acolhido entre os seus, passe a enxergar que não está só e que não precisa se esconder de ninguém, negando assim sua existência.

Então, surge o questionamento: Será mesmo que foi só um beijo lésbico (que nessa altura do campeonato, nem deveríamos estar fazendo mais este tipo de distinção, porque tudo é beijo) que incomodou tanto a tal ‘‘família tradicional brasileira’’? Não adianta mais disfarçarem um tamanho incomodo com o blablabla de ‘‘ai o mundo está perdido,as crianças não podem ver isso’’. Gente, por favor! Parem de achar que homossexualidade é doença e que ‘‘transmite’’ assim, por osmose ou sei lá mais o que imaginam. Isso é ridículo. É desrespeitoso. Um beijo entre pessoas do mesmo sexo na televisão não causa mal nenhum a ninguém. E se causa em você, melhor abrir a mente e se perguntar se o problema todo não está em ti.

Por essas e muitas outras é importantíssimo jamais parar de ecoar o grito de luta:

Chega de lesbofobia! Chega de preconceito!

Anúncios

Sobre peludas, depiladas e a ditadura do padrão inatingível de beleza

Não me lembro de qual página é essa imagem, mas, quem souber, avisa que dou os devidos créditos.

Não me lembro de qual página é essa imagem, mas, quem souber, avisa que dou os devidos créditos.

É de conhecimento de todos que a rede social Facebook é um oceano infinito de pura e escrota cagação de regra na vida alheia, ainda mais quando essa vida alheia diz respeito ao corpo de uma mulher

Quando, por azar do destino, cai às minhas vistas, um post sobre mulheres que escolheram não se depilar, é como se eu me deparasse com uma enxurrada de preconceito, machismo, babaquice e, claro, muita (mas muita MESMO) imposição do que é ”bonito”, ”feio”, ”nojento”, ”do que pode” e ”do que NÃO pode”. E olha que eu aprendi com o tempo e depois de muito estômago revirado, que ler os comentários de notícias assim no Facebook ou mesmo em portais não é uma escolha nada interessante, haja vista que tamanha leitura faz um mal danado para a cabeça e para todos os meus órgãos internos que se contorcessem como em uma dança, totalmente, louca e sem sentido.

Não dá para engolir que tantas pessoas se preocupem dessa forma, extremamente, exagerada (para não diz obsessiva). É quase impossível entender isso. Qual mal poderia te causar uma mulher não se depilar? Em que isso iria te prejudicar? Iria teu ego? Teus olhos? Teu machismo? Mas deixa eu enfatizar algo bem simples: Por mais que digam e batam o pé afirmando o contrário, mulher nenhuma está nessa mundo para te agradar. Porque não, o mundo não gira ao seu redor. Mulheres devem ter plena e total autonomia para fazerem o bem quiserem com SEUS PRÓPRIOS CORPOS.

A mulher não quer se depilar? Não vê necessidade para isso? Então, ela, SIMPLESMENTE, não se depila. Fácil, não é?

A questão toda chega a ficar pior ainda quando os cagadores de regra resolvem associar a não depilação com falta de higiene ou que, por causa de uns pelos a mais, ”elas depois vão reclamar de estarem solteiras”. Presta atenção: PARA COM ISSO! Porque está extrapolando o limite da babaquice. Pelos não representam falta de higiene. NÃO MESMO! Se eles estão aqui é porque, obviamente, têm alguma utilidade, como, por exemplo, proteger o nosso corpo de bactérias ou coisas do tipo. Ah, e se toda pessoa depilada fosse limpinha, né? Que maravilha viver! (mas isso não acontece, só se for no mundo de fantasia de alguns).

E outra: Quem disse que mulher se depila (ou não) para deixar de ser solteira? Só cabeças bastante limitadas para jurarem que mulher não tem mais o que fazer, como, FICAR MUITO BEM SOZINHA! Essa ideia de que mulher é sexo frágil e precisa de um homem, um macho-alfa para ficar feliz e bem, já cansou e isso faz tempo

Feminismo Diagonal

Feminismo Diagonal.

Ainda tem mais! E como se a coisa não pudesse ficar mais trágica e revoltante, tem ainda gente não acredita na existência da ditadura da beleza. Aí alguém grita lá no fundo: ”Sério isso?”. Muitíssimo sério. E eu crio uma vontade imensa de perguntar para essa gente em que caverna eles vivem, porque só viver em uma caverna seria uma explicação um tanto justa para não acreditar em algo que é tão óbvio.

Desde que o mundo é mundo, que há grupos que se articulam para estamparem por todos os lados que mulher tem que ser assim, tem que ser assado, tem que ser perfeita. Revistas ditam corpos, formas, cores, tamanhos, cabelos… T U D O! Novelas apontam condutas, modos de viver, de relacionar… T U D O! Painéis na rua vendem corpos femininos como se tudo não passasse de uma exposição de qualquer açougue de beira de esquina. E isso não sequer a ponta do iceberg. A problemática e o caos causado é bem mais profundo do que nossa mente pode ser capaz de imaginar. Não se trata de apontar uma arma para a cabeça de uma mulher e mandar ela ser e agir de tal forma. A imposição da ditadura da beleza é invisível e, por isso mesmo, é ainda mais destruidora, opressora e letal.

Afinal, quando uma mulher tenta e não consegue ser como aquela perfeita e escultural da revista ou a bonita (com tudo no lugar) da novela ou mesmo aquela sem nenhum defeitinho que está estampada num outdoor no meio da rua, ela sente-se, exaustivamente mal, fica aos pedaços. se questionando como é o seu problema, por que não consegue atingir aquilo, que parece ser tão fácil (mas que não é, na verdade) e logo é iniciada uma guerra com o seu corpo. A mulher não se contenta mais com a sua forma. Gasta dinheiro, forças (psicológica e física) tentando ser o que nunca poderá ser, porque essa beleza dita como a única beleza aceitável não existe. É uma beleza moldada em computador. É uma beleza projetada para mulheres que não existem. É uma beleza que não faz bem. É uma beleza que mata todos os dias.