Arquivos do Blog

Não adianta ser por Dilma e chamar Janaína de louca

Com a divulgação da capa da ISTOÉ com a presidente Dilma, eu já tinha todo um texto em mente pra falar sobre isso, mas o rumo da coisa teve que ser outro depois que viralizou na noite de segunda-feira (04), o vídeo da jurista Janaína Paschoal, uma das autoras do processo de Impeachment da presidente e principalmente, sobre a forma como toda a galera que se mostrou na linha de frente para defender Dilma por ser tratada como louca, não pensou duas vezes ao chamar Janaína de louca e coisas ainda piores.

Deixando evidente que não estou aqui para corroborar com o que foi dito ou não por Janaína, muito menos seu discurso reacionário, que como foi pontuada logo após sua presença na Comissão Especial do Impeachment semana passada, parecia de quem muito almeja ser deputada em 2018.

O problema está na repercussão. Em um dia defendemos que Dilma não é louca, mas Janaína é. Como assim?

Toda essa hipocrisia que só mostra que muitos não estão por Dilma, por ela ser mulher e por essa questão de gênero estar falando mais alto que qualquer entrave político, mas que estão tão somente pelo governo e por um partido. Eu me recuso a compactuar com isso. Estou por Dilma, estou por Janaína e por quem mais for tachada como louca nessa sociedade que condena mulheres, simplesmente, por serem mulheres.

A capa da ISTOÉ foi desrespeitosa? Lógico que foi. Com um projeto gráfico de bater qualquer filme barato de terror trash? Também. Mas ainda sim não adianta estar de um lado por essa razão e agir tal qual (e talvez mais grave ainda) com a Janaína Paschoal, por ela representar a oposição. Tamanha dicotomia não justifica fortificar machismo e misoginia.

Ainda sim, vocês acham mesmo, que se não fosse a presidenta do Brasil, Dilma, uma mulher, o veículo teria produzido a capa como aconteceu? Não precisa nem racionar muito para saber a resposta. Basta usar da sensatez. Somos bombardeados, dia após dia, por uma grande mídia que não respeita a governante maior do país, muito menos, as mulheres e sem falar da ética, que, para eles, sequer existe. Não há o que justifique tamanhos feitos, com essa de que é por conta da crise política ou coisa do tipo. Não sejamos ingênuos. Não nos deixemos levar por uma capa ou uma manchete “bombástica”. Isso é sensacionalismo. Puro. Nojento. E não nos faz rir. Eu, pelo menos, não vejo graça nenhuma nisso.

A ISTOÉ fez uso de uma tática nada recente, mas bastante corriqueira, para invalidar uma mulher, seja qualquer for a posição que ela ocupe na sociedade. Chama-se GASLIGHTING, definido pelo coletivo Think Olga , como “uma violência emocional que se dá por meio de manipulação psicológica e leva a mulher e todos ao seu redor acharem que ela enlouqueceu ou que é incapaz. ”

Esta forma de violência contra as mulheres costuma ser mais evidenciada quando se trata de relacionamentos românticos, mas pode ser, facilmente, expandida à qualquer ação ou atitude para personificar uma mulher como a própria loucura. Tal ideia está mais inserida como senso comum do que pela alcunha de gaslighting. Afinal, sob a lógica de submissão que nos é imposta, basta desvirtuar do que nos é esperado para que sejamos consideradas loucas, histéricas e assim, sumariamente, desacreditadas perante tudo e todos.

Pode até soar como bobagem para quem não faz a mínima noção do quão forte esta violência é e no quanto torna-se difícil reverter suas consequências (para não dizer, impossível). Até porque, uma vez dada como “a louca”, a mulher carregará esta sombra para onde quer que ela vá e se este mesmo rótulo sair em letras garrafais num veículo de comunicação de circulação nacional, as proporções extrapolam a imaginação mais fértil.

Não importa se você é da grande mídia ou um indíviduo fazendo graça no Facebook. Chamar uma mulher de louca, como o único intituito de desqualificá-la não é argumento pra nada e não te faz superior à ninguém. Principalmente, se você for homem.

Anúncios