Arquivo da categoria: Racismo

Sobre “Que Horas Ela Volta?” e como deus é negra, pobre e mãe solteira

quehoraselavolta2

via Revista Cinética

Antes de qualquer coisa, já quero indicar o texto da maravilhosa Stephanie Ribeiro sobre a produção em questão. “Afinal, o que leva os brancos a adorarem que horas ela volta?” traz uma crítica bastante fundamental sobre a sociedade brasileira e o racismo velado no qual nos afundamos cada vez mais. O feminismo deve sim ter como um de seus pilares, a luta constante contra o racismo, evidenciando que as protagonistas de tamanha luta são as mulheres negras, já tão silenciadas ao longos da história da humanidade.

Acabei assistindo “Que Horas Ela Volta?” só um tempo depois que este ganhou destaque pelo Brasil e no mundo. Em seus primeiros minutos, a produção já me ganhou e, para variar, vi crescer em mim aquela necessidade de escrever as minhas impressões do filme. O problema é que, enquanto mulher branca privilegiada neste país de desigualdades sociais mais do que explícitas, eu tenho que saber, conscientemente, do meu devido lugar de fala. Mas isso nem sempre é tão simples quanto parece. Na minha cabeça, eu posso até ter as melhores intenções do mundo para problematizar um filme que trata da relação de classe entre empregadas domésticas e patrões, mas se tais problematizações soarem de forma desagradável para a população negra – mulheres negras, em especial – eu já terei cometido um completo desserviço à militância feminista na qual luto e acredito e, nem de longe, é isso que desejo.

Sendo assim, podemos analisar “Que Horas Ela Volta?” sob a ótica da urgência, já que nós vivemos num país, onde parece que só através da arte, daquela arte que ganha as telas de cinema com grande repercussão, é que damos conta da essencialidade em se debater temas que são intrínsecos à nossa existência.

O filme não fala só da cozinha e do quartinho dos fundos, que separa patrões (brancos) e domésticas (negras) por verdadeiros abismos sociais. Este é somente o pano de fundo para fazer emergir uma discussão muito maior sobre um Brasil, altamente, separatista, em cada detalhe do dia a dia. Precisamos, imediatamente, olhar para este Brasil com um sincero olhar de crítica, de questionamento, de quem não se conforma nem um pouco com a sujeira que vê por aí. Olhar para este Brasil com aquele olhar de quem não vê beleza alguma em um cara, que dentro do conforto do seu carro com ar-condicionado, tira foto de um menino negro no sinal, que observa sua filha branca sob um vidro fechado. Não há beleza alguma em se aproveitar da situação de vulnerabilidade social de um menino negro para ganhar like no Facebook, moço. Isso não te fez mais humano. Pelo contrário. Vamos parar de querer receber palminha por “ações” que não condizem em nada com quem somos na realidade.

Por mais que pareça, no mínimo, superficial que a gente só consiga trazer questões de verdadeiro cunho crítico e social por meio de filmes ou produções artísticas do tipo, estes, por sua vez, não devem ter seus valores negados. É através destes exemplos, que conseguimos fazer com que o grande público abra um pouco mais os olhos e, principalmente, a mentalidade para o que devemos debater e buscar melhorar e mudar.

Percebo “Que Horas Ela Volta?” como um filme sensível, Anna Muylaert, que, como vi, foi a primeira mulher em 30 anos a representar o Brasil no Oscar. Sim, isso mesmo que você acabou de ler. A PRIMEIRA mulher em TRINTA anos. O que já nos evidencia outra urgência que deve ser também abarcada pelo feminismo: Por que as mulheres diretoras, roteiristas, produtoras de cinema não ganham seu devido reconhecimento? Até parece que não existe mulher fazendo filme, por trás das câmeras, no Brasil.

Mas, ao mesmo tempo, que tal filme carrega este tom sensível em suas escolhas de falas e posicionamento de câmera, ele é pesado, cortante, como uma faca que vai retalhando-nos por inteiro. Confesso eu que raros são os filmes – brasileiros, ainda por cima – que me deixam sem piscar e foi assim que este filme me deixou. A atuação de Regina Casé foi muito coerente, posso destacar, mas o que me fez refletir, ao ler o texto da Stephanie Ribeiro, citado mais assim: Por que Regina Casé? Teria sido a melhor decisão? Ou só mais uma atriz que se aproximasse dos padrões de branquitude e que ainda guardasse uma herança de fisionomia do que é considerado classe baixa, de empregada doméstica no Brasil?

Compreendemos que o filme em si arregaça várias feridas sociais e de classe no país, mas não as revira de fato. Também nos embrulha o estômago, mas continuamos achando normal as negras servirem as brancas, assim como na época das escravas e sinhazinhas. Seguimos entoando o discurso que não existe mais racismo por aqui, enquanto seguramos a bolsa contra o corpo quando vemos o cara negro se aproximar. Comovemos-nos com o filme, mas não paramos de acreditar que todos possuem as mesmas oportunidades ou que tudo bem uma atriz global negra já ter feito quase 30 papéis só como empregada doméstica. Brandamos o “somos todos iguais”, mas somos contra as cotas e gritamos que devemos nutrir uma “consciência humana” acima de tudo. Onde mais guardamos nossa hipocrisia de gente branca privilegiada?