Arquivo da categoria: Cultura do estupro

Meus desejos feministas para 2016

12376222_806821909423179_201423127336878840_n

não sei de quem é a foto. se souber, avisa aí.

As pessoas costumam fazer suas listas de desejos para o ano que vai começar no finalzinho do ano anterior, mas como eu gosto mesmo é de nadar contra a corrente, farei uma lista de desejos bem especial com 2016 já por aqui.

Resolvi não fazer aquela lista de sempre, com coisas tão somente sobre mim e pronto. Inspirada por esta postagem aqui, vou elencar abaixo alguns dos meus principais desejos para um ano de 2016, cada vez mais, feminista, onde possamos lutar muito mais pelos direitos das mulheres e de todas as classes oprimidas e massacradas por este sistema patriarcal vigente.

– QUE AS PESSOAS PAREM DE ACHAR QUE FEMINISMO E MACHISMO SÃO OPOSTOS

Algo muito comum, para quem não está inserido dentro do movimento feminista, que não o conhece minimamente ou com o intuito de tão somente invalidá-lo é afirmar que este refere-se à uma oposição do que é considerado machismo. Só que isso não passa do mais completo “engano” (para não dizer desserviço ou coisa pior).

Feminismo e machismo nem de longe podem ser relacionados desta forma, já que significam coisas, COMPLETAMENTE, distintas.

Machismo: É um sistema de opressão que considera as mulheres INFERIORES aos homens só porque são MULHERES. O machismo silencia, massacra, violenta – de todas as formas possíveis – além de, principal e infelizmente, ser o responsável-mor pela morte de mulheres todos os dias.

Feminismo: Em resumo, trata-se de um movimento que luta com e pelas mulheres. Pelo direito delas sobre a própria vida, seus corpos e suas escolhas. Respeita-se aqui a diversidade dos sujeitos, além de buscar a equidade (uma espécie de igualdade, mas que leva em consideração as diferenças de ambos) entre homens e mulheres.

QUE A CULTURA DO ESTUPRO SEJA ENTENDIDA COMO UMA REALIDADE QUE DEVE SER COMBATIDA

Sei que ninguém vai acordar num fatídico dia tendo total consciência disso, mas que, pelo menos, a gente pare de sair por aí reproduzindo coisas nada a ver, como por exemplo, que uma mulher foi estuprada porque estava com uma roupa curta. Gente, por favor, ISSO NÃO EXISTE. Sabe quais os únicos culpados por um estupro? Os estupradores. É essa cultura do estupro que, de certa forma, legitima que as pessoas digam tal atrocidade e que os outros levem isso à sério.

A cultura do estupro está mais presente no cotidiano da sociedade do que podemos sequer pensar. É quando um cara acredita que pode dar em cima de uma CRIANÇA porque ela “parece” mulher. Ou quando uma mulher não pode voltar sozinha pra casa à noite, porque caso aconteça algo com ela, ela será vista como culpada, porque estava sozinha numa rua escura. É também quando uma mulher não pode beber muito numa balada, porque, claro, ela “está pedindo”. Isso de sempre culpar mulheres vítimas de violência sexual também é algo legitimado pela tal cultura do estupro. Essa mesma cultura que estampa peças publicitárias objetivando mulheres das mais repugnantes maneiras. Ou deixa personagens femininas seminuas em jogos de vídeo game. A lista é imensa.

– QUE DEBATER SOBRE ABORTO SEJA ALGO POSSÍVEL

É de comum acordo que quando o tema aborto surge numa conversa, logo percebe-se pessoas revirando os olhos, prontas para atacar qualquer um que se diga pela vida das mulheres.

O aborto é tido como polêmica, porque está diretamente relacionado com as mulheres e seus corpos. Afinal, vivemos numa sociedade que obriga, veementemente, mulheres a serem mães (até se a gravidez tiver sido resultado de estupro), mas quando as crianças nascem e crescem é essa mesma sociedade que não está nem aí para aquela mãe e seu filho, pois a preocupação agora é reduzir a maioridade penal. Prioridades. Sempre as prioridades do Estado e seus aliados.

Lutemos por um 2016 em que a nós possamos debater a questão com mais liberdade, com mais direito de fala, de explicar didaticamente, de conscientizar. É total balela quem, do alto de sua ignorância, diz que se o aborto for “legalizado”, as mulheres vão sair abortando desenfreadamente. Como se isso fosse um lindo hobby, não é? Tamanha afirmação só pode sair de quem não se importa com ninguém, além do seu próprio umbigo.

Qualquer mulher deve ser, plenamente, dona de si. Ela quem decide tudo no que diz ao seu corpo. Não é Estado. Muito menos, igreja. Se a gente parar só um pouquinho de ser tão hipócrita e pensar a realidade, mulheres abortam quer você aceitando ou não. A questão é que as ricas abortam, mas as mulheres negras e pobres são as que mais morrem em verdadeiros açougues. Pela despenalização do aborto sim, senhor!

– QUE A VIOLÊNCIA CONTRA MULHER SEJA VISTA COMO O PROBLEMA DE SAÚDE PÚBLICA E NÃO MAIS COMO O FAMIGERADO “ EM BRIGA DE MARIDO E MULHER, NINGUÉM METE A COLHER”

Nenhuma mulher tem que porque sofrer sozinha com a violência. Elas precisam ser ouvidas e entendidas. Elas necessitam, urgentemente, de todo o apoio e, obviamente, auxilio jurídico para que tenham a oportunidade de seguir em frente, sabendo que não estão abandonadas, que serão tomadas as ações cabíveis para que suas vidas sejam preservadas, acima de toda e qualquer outra coisa.

Os números de mortes de mulheres por violência domésticas são perturbadores. O “Mapa da Violência 2015: Homicídio de Mulheres no Brasil” (aqui) está aí para nos mostrar isso por um ângulo bem nítido. E, na minha concepção, essa ideia de combate da violência contra as mulheres deve emergir da base, de cada indivíduo da sociedade. Enquanto essa consciência não for, minimamente, alcançada, continuaremos repetindo nojeiras como “ela só pode gostar de apanhar”, “por que não fez nada?”, “em briga de marido e mulher, ninguém mete a colher” e daí pra pior.

Então, a lista de desejos feministas para 2016 é bem maior, mas tentei listar algumas das pautas mais evidentes dentro de um âmbito mais geral. Reafirmo que a luta deve ser diária. A militância não tem hora nem lugar. A gente é feminista na internet e fora dela, porque as coisas como estão, não podem continuar. É fácil? Em hipótese alguma, mas a causa é maior que todas nós.

A conivência da sociedade com a cultura do estupro‏

Uma das principais discussões da semana nas redes sociais tem sido o caso da Valentina, DOZE ANOS, participante do programa MasterChef Junior (Band), que sofreu com ataques dos mais diversos tipos, de seres nojentos que publicizaram na internet que a estuprariam, como se isso fosse a coisa mais normal do universo.

Será tão difícil de entender que este é mais um reflexo da cultura de estupro, que muitos dizem não existir? Tal cultura que se faz presente no nosso cotidiano de maneira tão latente. Como quando crianças são hipersexualidades em campanhas publicitárias (só o que não falta são casos assim) ou quando parentes colocam meninas de calcinha para dançar músicas de adulto e todos acham aquilo a coisa mais fofa.

É, principalmente, essa mesma cultura do estupro que compactua com toda e qualquer violência que nossas mulheres sofrem desde a infância até a velhice (ou morte, que pode acontecer bem antes, infezlimente). Tal cultura também dá espaço para que homens acreditem que podem fazer piadas e as mais rídiculas brincadeiras com a questão do estupro, como se isso tivesse alguma graça.

Diante da repercussão do caso da menina no MasterChef Junior foi criada a campanha #primeiroassedio, onde mulheres relatavam suas primeiras experiências com assédio e como isso é mais comum do que a gente pode imaginar. Obviamente, a campanha também virou chacota para homens babacas, como o cantor Roger e seu altíssimo QI de babaquice.

E não vamos seguir na ilusão do senso comum, que caras que brincam ou escancaram que estuprariam crianças são doentes, porque isso é minimizar a gravidade da situação. Esses caras não são doentes. Eles são homens, repugnantes, mas homens que juram ter todo e qualquer direito sobre o corpo da mulher, independente dela ter quarenta ou doze anos.

Milhões são as Valentinas que existem por todo o Brasil e sofrem com violência sexual diária e sequer sabem o que aquilo significa. Permanecemos em uma sociedade que é conivente sim com a cultura do estupro, permitindo que esta se alastre por todos os lados, como algo natural. Milhões de Valentinas estão por aí desamparadas, sem ter quem olhe por elas. Precisamos cuidar de nossas meninas, empoderá-las, mostrando que elas não são, em hipótese alguma, culpadas pela violência que sofrem.